Fratura Óssea em Canários

canário com pata quebrada

0 julgamento é o momento mais esperado para a maioria dos criadores, porém alguns inconvenientes podem ocorrer até essa data, sendo um deles, a fratura óssea. O canário que apresenta irregularidade óssea, como calos ou defeitos de flexura nas canelas, dedos ou asas é severamente penalizado, em caso de deformidades visíveis o Manual pede a desclassificação do mesmo.

Os canários, como todas as aves, possuem os ossos dotados de cavidades, pequenos orifícios que permitem a passagem do ar, por isto são denominados ossos pneumáticos. Estes ossos, devidos tais características associadas às córtices (área mais densa e compacta, localizada na região periférica do osso) muito finas são muito mais propensos às fraturas, e impõe uma grande dificuldade para tratamento e cura.

Quando ocorre a fratura óssea, inicia um processo biológico complexo que segue padrões específicos de regeneração e envolve alterações na expressão de milhares de genes, denominada cicatrização óssea.

O tecido ósseo tem capacidade para reparação e regeneração em resposta a uma lesão ou tratamento cirúrgico. Ambos os processos envolvem uma complexa integração de células, fatores de crescimento e matriz extracelular. O processo de reparação consiste em restaurar a continuidade dos tecidos lesados, sem necessariamente aumentar o volume ósseo. No entanto, a regeneração é um processo que envolve a diferenciação de novas células e a formação de um novo tecido ósseo resulta em um aumento do volume total de novos tecidos esqueléticos.

Durante cada uma dessas fases os processos biológicos são regulados por moléculas de sinalização que “avisam” ao corpo que ocorreu uma fratura e esta deverá ser corrigida. Essas moléculas podem ser categorizadas em três grupos:

(l)citocinas pro-inflamatórias,

(2) membros da super família do fator de crescimento transformador-beta (TGF-F)

(3) fatores angiogênicos.

Por esse processo de recuperação depender da inflamação não se deve, em hipótese alguma, utilizar medicamentos que contenham corticoides, tais como Dexametasona, Prednisona e Prednisolona, pois esses, inibiriam o processo inflamatório de modo exacerbado. A consolidação do osso é a regeneração da morfologia e da função do tecido lesado através da produção de nova matriz osteoide, ocorrendo de forma direta ou primaria (não há formação de calo mole ou calo duro) ou na forma indireta ou secundária (espontânea, há formação de calo ósseo).

O uso de fixadores, hastes, pinos e placas é amplamente restrito para algumas aves devido a certas particularidades, tais como, a espessura óssea dos canários, o que pode não colaborar com o tratamento.

Os artigos científicos demonstram que em aves maiores como pombos, gaviões e psitacídeos em geral, o uso de fixadores determina a melhor opção de consolidação de fratura. Porém, os resultados podem variar devido aos diferentes tipos de fraturas, associados aos diversos comportamentos pós- cirúrgico dos pacientes. Outro fator negativo comum nestas técnicas é a anquilose (rigidez de uma articulação) devido à imobilização por longo período.

Em canários há poucos estudos sobre o tratamento de fraturas, e muitas vezes o dono da ave, em busca de ajudar acaba por piorar o quadro clinico da ave, devido ao desespero e a pouca experiência no assunto. No intuito de imobilizar a fratura, é bastante comum o uso de fitas, como esparadrapos e micropore. No entanto, essa prática é altamente complexa e se torna ineficaz sem o auxilio de uma pessoa capacitada, além de não manter a imobilização ideal e ainda permitir o desenvolvimento de uma área com alto potencial de infecção, em casos de fraturas expostas.

Nas últimas décadas, em determinadas cirurgias do campo médico humano e veterinário, foi introduzido como ferramenta o ciano acrilato de etila, que é o principio ativo comum nas “super-colas”. E encontrada com o nome comercial de SuperBonder.

Na canaricultura esta cola é eficientemente usada na correção de faturas, estancando a hemorragia no local traumatizado e permitindo a imobilização do membro para a consolidação ideal. Na ocorrência de uma fratura é dever do proprietário da ave buscar auxilio de um médico veterinário. Caso não consiga a ajuda especializada, os primeiros socorros devem ser realizados prontamente para não comprometer a vida do animal.

Em casos de trauma no membro inferior, o pássaro deve ser cuidadosamente contido. Mantenha alto esmero com o membro afetado, não o desloque da posição anatômica encontrada; ato comum entre os leigos para afirmar que houve de fato uma fratura. Leve a ave ferida a uma água corrente limpa e sem pressão. Deixe que o sangue seja enxaguado. Se a hemorragia aumentar, faça leve pressão comum papel absorvente mantendo o posicionamento encontrado. Quando a hemorragia estiver contida deverá ser observado o local da fratura e o posicionamento ideal do membro, utilizando como auxilio os dígitos do pé, lembrando que a porção frontal contem três dedos e a caudal apenas um.

A cola é primeiramente colocada no ponto da fratura, alinhando o eixo comum do osso. Apoie o osso alinhado até a cola secar. Passe a cola novamente sobre o ponto da fratura e o por toda extensão da canela até a base inicial dos dedos. Flexione-a ao abdômen, paralela ao outro membro, colando-a nas penas abdominais.

A maneira com que a perna é posicionada no momento da imobilização permite que o canário apoie os dedos no poleiro, pois os mesmos não estão colados, assim, é iniciado um processo de fisioterapia espontânea. A consolidação da fratura estará completa em torno do 30º dia de imobilização. Nessa fase o canário estará apto a realizar novamente o movimento de extensão do membro 0 que acarreta à descolagem natural da canela com as penas do abdômen.

Se a fratura, por sua vez, ocorrer em membro superior, a imobilização deve ser realizada com o reposicionamento anatômico da asa com o tórax. Cola-se as penas da asa com as penas do flanco médio. O processo de recuperação é semelhante ao dos membros inferiores.

fratura óssea em canários


canário com asa quebrada


Fonte:

Artigo extraído da revista da Associação Ornitológica Caxiense ed. 2015, página 50

Sergio Ricardo Nicolau Martins
Medico Veterinário e Juiz Aspirante OBJO

Alessandra G. Lindquist Nicolau
Estudante de Medicina Veterinária

Deixe uma resposta